Portugal: Embalagens de medicamentos vão finalmente ser recicladas

O Estado vai obrigar a empresa que recolhe as embalagens e os medicamentos fora de uso a enviar as caixas de remédios para a reciclagem. Actualmente, os resíduos que as pessoas entregam nas farmácias - e são recolhidos pela empresa Valormed - são enviados para as incineradoras. Aí são queimados em vez de serem reciclados e aproveitados.

A alteração constará na nova licença da Valormed que está a ser negociada com o Governo. Luís Francisco, da direcção da Valormed, adiantou ao DN que, com a nova licença, serão aproveitados e reciclados os resíduos de cartão, plástico e vidro que compõem, por exemplo, os pacotes de medicamentos, as bulas ou os frascos de xarope.

Uma medida aplaudida por Rui Berkemeier, da Quercus, que lembra que, pelo menos, mais de metade destas embalagens são recicláveis e não estão a ser aproveitadas.

A Valormed está também a estudar a hipótese de vir a construir uma unidade de triagem e reciclagem para separar e tratar estes resíduos. Os remédios terão de continuar a ser queimados nas incineradoras, pois contêm produtos perigosos, nomeadamente os antibióticos, e, por isso, têm de ser eliminados.

"É uma questão de segurança. Há sempre o perigo de voltarem a ser vendidos. Ou de, ao irem para aterro, contaminarem o solo a longo prazo", explicou Luís Francisco.

Como a reciclagem de embalagens em Portugal está sujeita a metas impostas por uma directiva europeia, a Valormed também terá objectivos de recolha para cumprir. "É uma forma de co-responsabilizar todos os que, dentro da sua quota de mercado, têm responsabilidades neste sector", afirmou Luísa Pinheiro, do Instituto dos Resíduos, entidade com a qual a Valormed está a renegociar a licença.

Outra novidade diz respeito à recolha das embalagens e medicamentos fora do prazo que vai ser estendida às farmácias hospitalares.

No ano passado, a Valormed recolheu 471 toneladas destes resíduos que foram enviados para incinerar na Lipor (Porto) e na Valorsul (Lisboa). Quantidade que representa mais 20% do que o recolhido no ano anterior. Estes medicamentos e embalagens foram entregues pelos cidadãos nas 2709 farmácias aderentes ao sistema da Valormed.


Fonte:  Diário de Notícias