Mãe junta 300 kg de material reciclável para que filho pudesse estudar na Europa

Uma mulher juntou 300 kg de material reciclável para realizar o sonho de seu filho: estudar na Europa. Paraibana, Isabel Cristina Fernandes, 51, decidiu tomar essa atitude, quando o seu filho Pedro, 18, conseguiu ser aprovado para um intercâmbio na Finlândia. Com a aprovação, ela precisou desembolsar R$ 6 mil reais para que o seu filho chegasse ao país.

O obstáculo não desanimou Isabel. Ela decidiu vender trufas, doces e juntou até 300 kg de material reciclável para conseguir o dinheiro das despesas da viagem. O material colhido iria para o lixo da Associação de Magistrados da Paraíba, no município de Cabedelo (a 226 km de João Pessoa), local onde trabalha. Com esse montante, a paraibana arrecadou R$ 1,2 mil. O restante veio da ajuda de amigos e das vendas de trufas e doces.

Mas, além de arcar com as despesas das passagens, Pedro precisava de dinheiro para conseguir viver por mais de seis meses na Finlândia. E com muito sacrifício, foi possível arrecadar R$ 30 mil, valor suficiente para que o jovem pudesse se manter. Amigos de Isabel e pessoas que admiram Pedro ajudaram na missão.
Pedro foi aprovado no programa de intercâmbio do Rotary Club e foi para o exterior em agosto do ano passado. Além disso, foi passou no vestibular do curso de Relações Internacionais da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

(FONTE: http://www.opovo.com.br/noticias/brasil/2017/02/mae-junta-300-kg-de-material-reciclavel-para-que-filho-pudesse-estudar.html)

Japão pede doação de smartphones para fazer medalhas olímpicas

A organização da Olimpíada de Tóquio-2020 pediu a colaboração do público japonês para produzir as medalhas dos próximos Jogos. Os desejados itens de ouro, prata e bronze serão produzidas com metal reciclado de celulares e outros produtos eletrônicos doados por “pessoas que desejam se sentir diretamente envolvidas com o evento”, anunciou o comitê local nesta quarta-feira.

Os organizadores esperam coletar até oito toneladas de metal, sendo 40 quilos de ouro, 2.920 quilos de prata e 2.994 quilos de bronze, de celulares desatualizados e eletrodomésticos pequenos. A iniciativa resultará em duas toneladas de material reciclável, o suficiente para fabricar todas as 5.000 medalhas olímpicas e paralímpicas.

A partir de abril, caixas de coleta serão instaladas em escritórios locais e nas lojas da empresa de telecomunicações NTT DoCoMo Inc, que irá fazer uma parceria com a empresa ambiental Centro de Saneamento Ambiental do Japão no projeto. As medalhas dos Jogos Rio 2016 também foram feitas com material reciclado, como restos de espelhos e chapas de raio-x.